Seja bem vindo ao mundo da comunicação!

Que todos os internautas que acessarem este Blog sejam bem vindos e que possamos, de alguma forma, acrescentar algo em suas vidas. Conheçam nossos trabalhos e nossos serviços. Felicidade a todos!

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Mídias sociais

Quão importante é o monitoramento das mídias sociais?

Pesquisa vai, pesquisa vem, e parece que todos que mexem com mídias sociais não sabem ao certo qual é a realidade das empresas nesse universo. Há alguns dias, falamos aqui de um levantamento que mostrava que empresas americanas não estão nem aí para o assunto.

Agora uma pesquisa nacional, realizada pela Orbium, empresa especializada no desenvolvimento de softwares de customer care (CRM), mostra que, das 156 empresas entrevistadas, 52,1% consideram muito importante o monitoramento de sua imagem na internet, 43,7% classificam-no como importante e apenas 4,2% acreditam que esse trabalho seja irrelevante. Para complementar, 70,4% pretendem investir em ações em redes sociais; e 22,5% têm a intenção de apostar nesse nicho, mas não no curto prazo. Já 7,1% dos entrevistados garantem que não têm interesse em investir nessas mídias. “É um estudo preliminar, com o objetivo de sentir o clima corporativo”, afirma Clarice Kobayashi, vice-presidente de marketing e estratégia de negócios da Orbium. “O próximo passo, que vamos realizar nos próximos dois a três meses, é qualificar e especificar mais esses resultados.”

O levantamento foi conduzido entre 5 e 19 de agosto com presidentes e diretores ou gestores de atendimento e marketing (65% dos respondentes) e gerentes de vendas, operações ou tecnologia e analistas em geral (35%). Os dados mostram que a preocupação dos negócios brasileiros com as redes sociais é grande, mas que, segundo Clarice, é pouco estruturada – a famosa questão de ter uma estratégia organizada.

Um dado interessante da mesma pesquisa mostra que, quando questionadas se já realizaram monitoramento de suas marcas nas redes sociais, 57,1% responderam que sim, de forma manual, e 22,9% já o fizeram de forma automatizada. Clarice classifica a forma manual como um método pouco prático de pesquisa em sistemas de busca para saber o que está sendo falado sobre a empresa, sem auxílio de ferramentas ou softwares que deem resultados mais estatísticos. Ela espera que a próxima fase da pesquisa detalhe isso.

Outro aspecto que ficou evidente para Clarice é que o processo de desenvolvimento de estratégias nas redes sociais parece mais fácil para os altos níveis corporativos, mas mais complicados para os cargos de base, que lidam com essas ações diariamente. “A maioria dos entrevistados foram os presidentes e diretores das empresas, que possuem a visão total do negócio. Talvez seja por isso que 33,8% não vejam obstáculos ao desenvolverem estratégias. Quando a abordagem é com a equipe operacional, que tem visão parcial do negócio, é notável a preocupação com os obstáculos e com disponibilidade para investimento para essas atividades”, afirma.

A pesquisa também relacionou os maiores obstáculos levantados pelas empresas na hora de monitorar as redes sociais (era possível escolher mais de uma alternativa):

  • 45,1% consideram a falta de um processo automatizado como empecilho
  • 32,4% alegaram falta de verba para investir nessa área
  • 21,1% acreditam que haja falta de mão de obra especializada para exercer a função
  • 15,5% consideram que ainda há falta de conhecimento sobre o assunto

Mas o importante mesmo é que muitas das empresas acreditam que fazer esse tipo de monitoramento leva a grandes benefícios:

  • 73,2% acreditam ser possível detectar e resolver problemas de consumidores por meio dessas ferramentas
  • 71,8% afirmaram que as mídias sociais possibilitam analisar de que forma a marca é percebida
  • 54,9% acreditam que é possível utilizar essas mídias para acompanhar ações da concorrência
  • 52,1% disseram ser possível também analisar a repercussão das publicações de imprensa sobre a empresa
  • 46,5% afirmaram que as redes sociais também permitem reconhecer os defensores da marca

Nas leituras que tenho feito, parece que muitas vezes as estratégias em mídias sociais acabam esbarrando nas decisões do alto escalão. Alguns as acham inúteis e sem um retorno efetivo para o investimento que recebem. Outros as acham extremamente fáceis de lidar e por isso ficam decepcionados quando o resultado foi aquém do esperado. E agora? #ComoFas?

Como utilizar os inúmeros benefícios dessas ferramentas sem se sentir desencorajado pelos supostos obstáculos? E como “dobrar” a chefia para conseguir isso? E vocês que são os chefes de suas empresas? O que estão fazendo em relação a essa realidade?

Comentem e compartilhem! ^^

Link da matéria: http://colunas.pegn.globo.com/sonasocial/2011/08/23/quao-importante-e-o-monitoramento-das-midias-sociais/

Um comentário:

António Jesus Batalha disse...

Muito bom o seu blog, estive a percorre-lo li alguma coisa, porque espero voltar mais algumas vezes,
deu para perceber a sua dedicação em partilhar o seu saber.
Se me der a honra de visitar e ler algumas coisas no Peregrino e servo ficarei radiante.
E se gostar e desejar comente.
Que Deus vos abençõe e guarde.
António.
http://peregrinoeservoantoniobatalha.blogspot.pt/